Perdida nas letras
Não alcanço as palavras
Nas linhas confusas
Não vejo nada
Tudo se mistura
Não entendo como
Fecho e me limito
Me distraio e me perco
No infinito

 

Tempo que não esperei
Palavras que não desejei
Engano que não escolhi
Lugar a que não quis ir
Pessoas que não conheci
Comida que não saboreei
Bebida que não degustei
Lição que não aprendi
Paisagem que não vi
Medo que não senti
Sonhos que não tive
Tudo isso faz parte
De estar aqui, viva!,
Na vida que escolhi.

 

São casas pequenas
De portas abertas
E jardins tão verdes
Caminhos de pedras
De cores diversas
Encantos de flores
Cercas tão baixas
Lareiras, ardores
Um riacho ao longe
Aconchego que espera
E habita essa casa
Canto de silêncio
Que acalma e afaga
E assim componho
O meu sonhado vilarejo

 

Vou subir as montanhas
Invadir seus sonhos
Dançar nas nuvens
Fazer belo o medonho

Vou seguir pelo mundo
E com minhas mãos gentis
Buscar seu amor
Nos instantes febris

 

Cenas da vida…
Muitas são
Sem entrada
E sem saída
Cada uma, seu dito
Sua emoção…
Uma confissão
São simples momentos
Fatos novos ou antigos
Todos importantes
Para entender
Definir a história
Que se constrói
Sua vida…
Minha vida…

 

Folhas amarelas
Rascunhos…
Confusos pensamentos
Trazidos, dia a dia
Pelo tempo da melancolia
Indiferença no amor
Carência que nunca nos deixou
A insuficiência nas palavras
De angústia
Surpresa nos olhares
Que eu nunca descrevi
Apreciei, vi ou vivi…

 

Suas frustrações mais intensas
No profundo oceano vim depositar
Quero trazer a superficie
Um simples presente
Que o tempo possa ajudar
Nessa jornada
Em princípio, difícil
Seus valores não precisam estar
Evitam-se perecimentos
Aborrecimentos,experimentos inúteis
Pois, com calma, há que se desvendar
Fascinantes são os fatos
Como a história de um livro
Seu interesse irá despertar
Quem sabe, inclusive
Sua própria trajetória
Um dia poderá narrar

 

 

Quero capturar as melhores figuras
Imagens felizes e brilhantes
Muitas perdi por paralisia
Todas significam tanto
Lê-las é meu desejo
Mas rapidamente se vão
Dar importância a elas
Montar um quadro
Como se possível
Jogar o velho no novo
O passado no presente
E, para completar, o futuro
Planejar o espaço
Com muitas opções
Mesmo no imaginário
Torna-se real por um instante

 

Quero voar sobre as montanhas
Ver, do alto, rios, pomares!
Hortas, garbosos jardins!
Árvores, riachos, vales!
E, quando me cansar
Passar longe dos precipícios
Vou querer pousar
Nas espumas do mar
Para que ele possa
Sempre me levar
Pelas sublimes ondas
E ver o mais resplandecente luar

 

 

Pela estrada
Nesta ronda
Cortando caminho
Não me sinto sozinha
Com o vento
Com a chuva
Com o sol
Sao infinitas as companhias
À noite e de dia
Só a natureza me guia
Ultrapasso ciladas
Pessoas diferentes
Encontro nesse caminho
Que o suavizam
E me fazem companhia
E assim, sinto a paz
Da natureza que me chama
Me sinto plena
Por onde passo
Me completo
Embora deixe um pedaço
E quando o destino chegar
Talvez com tudo que juntar
Serei inteirinha

 

Ambiente maternal
Flores brotando
Luz baixa
Refletindo poesia
Doçura e carinho…
Com frescor e amor

Aqui estou
Com um convite
Para degustar
A delícia do desejo
Que é este jantar

 

Isto é bom
Este teu toque
Tão excitante
Gratificante

Tudo o que quero
É estar assim, junto
Se você for sincero
Nosso será o mundo

Ficamos assim, à vontade
Sem planos, sem inverdades
Entregues ao afeto incessante
Que nos conecta a cada instante

 

Portas fechadas
Flores nas janelas
Música ao longe
Conversa nas calçadas
Ares de surpresa…
Paisagens secretas
No infinito deserto
Há vida sorrindo
Em versão
De amor amigo
Infinito, simples
No sertão
E na cidade
Que nos convidam
No nosso tempo
A conhecer o que é bom

 

A viagem começa
Com vídeos e informações
Que não me canso de ver
As turbinas são acionadas
E a minha imaginação também
Não preciso de bateria
Só de música, papel e caneta
Dispositivos exclusivos
Que facilitam minha chegada
E lançam meu sonho no ar
Nessa viagem espetacular
Em que vou me realizar