Sensação

 

Ecoa neste ser
Uma sinfonia
Uma melodia
Um som
Que não se vê
Mas se sente
Para se evoluir…
Amadurecer…

Sensação boa
Nascedouro de sonhos
Jardim da imaginação
Que em estado de paz
E de pureza
Acaricia a alma
E aquece a vida.

Anúncios

Refeição

 

Com estes ingredientes
Uma receita vou inventar
Mas que desafio é misturar
Temperos tão diferentes

Sem medo de aproximar
O salgado e o doce também
Que se gostam, dão-se bem
Se combinados com vagar

Pouco depois de tirar do forno
Ao visual vou me dedicar
Com carinho, para fazer salivar
Até os que só dizem: “não como!”

Quem olhar para o prato pronto
Logo vai querer experimentar
Mas, que pena, não poderá!
Porque este aqui já tem dono

Pelo olhar e pelo sorriso vou saber
Do delicioso prazer e da emoção
Que é preparar uma refeição
Com todo o amor para você

 

IMG_9423_1

Vida

 

Seja como for
A vida aí está
Para nos dar ou tirar

Recebemos, no presente,
Suaves momentos
Feitos de abraços amigos

E muitos outros, valiosos,
Que não podemos desperdiçar
E sim no coração guardar

Mas isso, apenas,
Não basta; precisamos saber
Por inteiro nos doar.

 

Desconhecida

 

Sua utopia era a magia
Do amor que possuía
Sem nem ao menos saber
O que por aí viria…

Crescia na pureza
De seus suaves dias
Buscava, nos amigos,
Força e energia

Livre e soberano
Ia confiante, com empenho
E sem ambição
A realizar seus sonhos

Acomodando pessoas
Colocando à prova
A vontade inabalável
De dar roupagem nova

Ao desconhecido
À essencial conciliação
Com a vida
Essa simples arte do coração.

 

 

Por você

 

Certo que é por você
A luz a brilhar
A espalhar vida nova
E esperança pelo ar

Desisto de brigar
Para me pôr a buscar
Tudo que há em seu olhar;
Não me deixe desacreditar

Pois a vida só se justifica
Quando insistimos no gesto
Simples e verdadeiro
De amar

 

 

 

Trilha

 

Todo dia vejo o sol, soberano
Na minha janela, brilhando
Parece até que ele me chama
Então logo salto da cama

Lá bem longe, no pasto,
Vejo o beija-flor em seu repasto
E na cozinha, meu bolo predileto
Com queijo, pão e café preto

Então saio correndo sem parar
Para em meu cavalo branco montar
Subimos, descemos e galopamos
Por trilhas novas sempre vamos

Paramos aos pés de uma cachoeira
Para um banho, não sem brincadeira
Deito nas pedras a olhar o céu profundo
E, qual pássaro, alço voo sobre o mundo.