Todo dia vejo o sol, soberano
Na minha janela, brilhando
Parece até que ele me chama
Então logo salto da cama

Lá bem longe, no pasto,
Vejo o beija-flor em seu repasto
E na cozinha, meu bolo predileto
Com queijo, pão e café preto

Então saio correndo sem parar
Para em meu cavalo branco montar
Subimos, descemos e galopamos
Por trilhas novas sempre vamos

Paramos aos pés de uma cachoeira
Para um banho, não sem brincadeira
Deito nas pedras a olhar o céu profundo
E, qual pássaro, alço voo sobre o mundo.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s