IMG_1448

Anúncios

Bom dia!

 

Pela manhã, bem cedo
Vou-me ao jardim
Para cuidar das flores
Que exalam amor
E quando o resto me propõe
A fazer… me entrego

Espero meus irmãos
No melhor lugar
Dali vamos caminhar
Por onde tudo é tão simples
E sentaremos a conversar
E a rir, e a chorar

A vida não tem segredo
Quando estamos juntos
Eu sinto seu coração
Sereno, suave todo dia
E pronto a compartilhar
As novidades que recebeu

Com ele, pude aprender
Que há palavras ditas sem medo
Enunciadas como em oração
Para alimentar essa fusão
Entre a verdadeira magia
E a sincera poesia.

Amor incondicional

 

Amor incondicional
Adoração que inclui
Sem excluir as falhas
Encaixe e atrito
Orienta, une e ata
A razão não mede
O tempo não mata
Um sentido não pede
Inspira a vida
Respira o prazer
Infinito, nos dias
De partilha
Da emoção
Da verdade
E da eterna amizade.

 

Luminoso dia!
Jamais isso senti
Vou sair por ai
Sem rumo…
Para tudo observar
Casas, árvores, pássaros…
Penso em até cantar
Espero ninguém assustar
Sentar-me no banco da praça
E um jornal folhear
Ouvir canções e escrever
Nada urgente a resolver
Embaixo de uma árvore vou ficar
Nem com o tempo para me preocupar
Quero, dos meus hábitos, nada mudar

Amar-te

 

Quero me encontrar
Nesse mar
Provar quem sou
Na verdade repousar
No coração acampar
E sem ansiedade
Amar-te até o fim
Sem pensar
Na insegurança
Que possa vir.

 

Desgraças, conflitos…
Problemas, preconceitos…
Abandonei-os na cidade grande
Fui ao paraíso
Para esquecer tropeços
Reclamações, decepções
Explorei ali toda minha curiosidade
Num mundo de ilusão
Distante da multidão
Conheci o mistério
Do fundo do oceano
Encontrei, no alto dos coqueiros
O feitiço que existe
Nesses seres mágicos
Extraordinário o que a natureza
Quer nos revelar

 

 

Desejo

 

Além, muito além
Do que se possa ver
Lá entre meus sonhos
Há um ensejo, um desejo
Sem fim; lá, em mim
Que descortina ilusões
E derrama lágrimas
Mas, o que fazer
Para viver? Razão
Pura, sem aflição
E acolher o desejo
De com esforço amoroso
O melhor, e nada menos,
Sempre fazer.

 

 

Por essa estrada
Vi muitas coisas passar
O sol insistente a brilhar
Casas simples…
Animais a pastar
Como se do deserto
Incerto, algo viesse brotar…
Já nem me lembro
De onde parti
Por muitas cidades
Ainda quero passar
Senti essa liberdade
Em mim desabrochar
Nada de me fixar
Vim a este mundo para viajar
Em lugar algum vou parar

 

 

 

Busca

 

Dentro desse ser
Existe uma divindade
Uma expressão da verdade
Um desejo de felicidade

Dentro desse infinito ser
Está a busca serena
Pela liberdade
Desta virgem paisagem

Não foram só fantasias
O que a vida me mostrou
Embarcamos juntos na viagem
Vida após dia, felicidade repleta
E sem pressa.

 

Pode ficar

 

Aonde você vai?
Não fuja do que sente
O seu olhar entrega
O que o silêncio prende

É essa confissão
De que cá quer estar
Bem ao meu lado
E no meu abraço morar

Igual a esse amor
Entre nós, não há
Nem lugar melhor
Para se poder ficar.

Espaço

 

Tudo o que está nesse espaço
É bom, é sonho
Parece com seu amor
A música que você deixou
Atravessa as paredes
Entra-me no coração
Carrega-me para mais perto
De você, e deste lugar
Que é a lembrança que restou
De toda bondade
Que em meu ser
Você despertou.

Quero

 

Vim ao mundo
E tenho fome
E tenho sede
Quero as cores
Todas elas
Para pintar
Frutas, legumes, doces…
Colher, preparar, provar,
Com sorriso no rosto
Sorvete, picolé
Saborear com gosto
À beira-mar
Vou me sentar
O céu vai rebater
Diferentes cores
E vai cintilar
Ainda mais
Os nossos corações
Vão rufar sem parar
Nossas bocas, salivar
Pois é saborosa a vida
Quando tem gosto de namorar.

 

Só com a gente

 

Aqui no alto, aqui em cima
É tudo vago, tudo branco
Até o turbulento tranco
Dessa emoção prístina

Flores e pássaros vejo
Nesse baile no ar
De surpresas e canções…
Como é doce voar

Vem a brisa boa
E mais longe me lança
Na vertiginosa dança
Dessa estação canora

E quando pousar, vou gravar
As mais belas imagens
No seu coração, onde vão ficar
Como carinhosas tatuagens.

Imprevisível

 

O coração que chora
De saudade
E que grita
Por liberdade
Não expressa
Vaidade
Tem alegria
De palhaço
E caminha
Sem falsidade
Corre corajoso
Pela voz
Da melancolia
Não tem receita
Para a felicidade
Não sabe medir
Prós e contras
Somente se abriga
Na trincheira
Da sua arte
A defender
Seu filosofar.