Essa poesia não está escrita

Nos livros que li

Está no íntimo que vi

Lá não existe passado

É pleno futuro…

Por tudo que já vivi…

(Escolhi e acolhi…)

Não foi pesadelo nem sonho…

É ingenuidade distante

Nesse longínquo caminhar

Traçado com desenho irregular

Sponsored Post Learn from the experts: Create a successful blog with our brand new courseThe WordPress.com Blog

WordPress.com is excited to announce our newest offering: a course just for beginning bloggers where you’ll learn everything you need to know about blogging from the most trusted experts in the industry. We have helped millions of blogs get up and running, we know what works, and we want you to to know everything we know. This course provides all the fundamental skills and inspiration you need to get your blog started, an interactive community forum, and content updated annually.

Por essa janela

Quantas libélulas 

Vi pousar

Até em casa

Entraram

Foi estação nova

Que veio se pronunciar

Convite ao novo

Ao hoje

Enlace, fragmento

Cumplicidade 

Chegando com o tempo

Com os sonhos

Para criar

Voar 

Onde a imaginação

Me levar

Canários da vida

Simplicidade vivida

Incômodos sentidos

Planos esquecidos

Sentimentos bonitos

Bilhetes surpresas

Cafuné sonífero

Abraço constrito

Careta inventada

Viagem surpresa

Em que tudo foi deixado

Nessa vida inodora

Parecendo perdida

Flores e pássaros vejo

Nesse baile no ar

De surpresas e canções…

Como é doce voar

Vem a brisa boa

E mais longe me lança

Na vertiginosa dança

Dessa estação canora

E quando pousar, vou gravar

As mais belas imagens

No seu coração, que ali vão ficar 

Como carinhosas tatuagens

Suas frustações mais profundas

No mar vim depositar

Quero trazer à superficie

Um simples presente

Que o tempo possa ajudar

Nessa jornada

A principio, dificil

Seus valores não precisam estar

Evitam-se perecimentos

Aborrecimentos, experimentos inuteis

Pois, com calma, há que se desvendar

Fascinantes são os fatos

Como a história de um livro

Seu interesse irá despertar

Quem sabe, inclusive

Sua própria trajetória

Um dia poderá narrar

Minha mocidade

Ficou no tempo

Numa rida de amigos

Nos felizes momentos

De jogos e brincadeiras

Era felicidade…

O vento no rosto

No passeio de bicicleta

Na praia, na piscina

A correria era boa

Tudo era vibrante

Ate mesmo ficar à toa

Descer e subir em arvores

Pular corda e amarelinha

Bambolê não er facil

Mas valia cada reboladinha

Ê tempo bom!

Tudo era pura alegria

Em casa, na montanha

Na praia ou na rua

Toda manhã

Muitos encontros

Passeio pela calçada

Crianças brincando

Mães conversando

Corrida para exercitar

Sorrisos soltos no ar

Abraços…

Cuidados…

Jogos de areia

Cliques!

Assim é demais caminhar

Provar a vida

Deixar o sol queimar

Para um verdadeiro

Despertar!

Roubei sonhos

Roubei aventuras

Roubei sem querer

Mas fiz diabruras

Até quero encontrar

Um meio de tudo devolver

Mas não será possível

Comigo tudo vou manter

Roubei o calor da alegria

As delícias da honestidade

Roubei o sabor de amar

E suas promessas de felicidade

Ah! E como não poderia deixar de ser

O seu sorriso eu roubei

Para nunca mais devolver

Carrego na minha mente

E na cestinha da bicicleta

O desejo de liberdade

Neste pedalar que desperta

Toco o céu, o mar visito

Ninguém consegue me alcançar

Com imaginação, rumo ao infinito

Sei que posso me aventurar

E assim vou sempre a buscar

Experiências inéditas, verdadeiras

Caminhos novos vou explorar

Tendo a alegria como companheira